Tempo de leitura: 10 minutos

Fala meu povo!

Eu me chamo Ramon Matos e neste conteúdo vou compartilhar toda a minha trajetória de como eu consegui aumentar o meu faturamento como freelancer em criação de sites no WordPress. Não se preocupe, se você trabalha em áreas como: Mídias Sociais ou Design, eu acredito que esse conteúdo vai te ajudar a enxergar a oportunidade que você precisa para aumentar seu faturamento. Em meus conteúdos abordarei de forma simples e sem nada de programação como o WordPress se tornou o caminho que me fez chegar a faturar R$ 6.000.00 como freelancer. Se você tiver interesse em saber como aumentar seu faturamento trabalhando como freelancer, esse canal foi criado pensando especialmente em você. Se inscreve agora que garanto que não irá se arrepender.

Vamos lá! Em 2011 foi quando eu entrei de cara no mundo do Marketing Digital. Inclusive minha primeira certificação 8P’s ministrado pelo Conrado Adolpho foi nesse ano. Foi lá que comecei a conhecer como eram os processos de vendas dentro da internet. O maior aprendizado que eu tirei dessa certificação foi que é muito difícil tirar os ensinamentos da teoria para por na prática. É muito comum ter cursos que abordam muitas teorias sem contar com fatores que na prática fazem total diferença. E claro, isso vai variar muito com o modo que você vai usar o conhecimento que acabou de adquirir. Eu falo isso porque na maioria dos clientes que trabalhei com criação de sites, eles não possuiam muita verba para, por exemplo: investir na elaboração de um bom funil de vendas. Clientes assim, geralmente, já vem com algumas ideias pré-definidas do que acham que precisam e com isso acabam sendo mais complicados de explicar a real importância de fazer X, Y ou Z. Como eu falei, isso vai depender muito de qual o público que você atende, eu já tive a experiência de atender clientes onde muitas vezes só o site é sinônimo de um grande passo para entrar no mundo digital.

Ainda em 2011 aprendi muito com Quartel Digital. Essa empresa foi muito importante em minha história porque foi nela que conheci a comunidade de profissionais que já trabalhavam na área e também conheci pessoas que estavam começando a entrar nesse mundo. O Quartel Digital foi o tipo de empresa que fomenta o cenário de forma que com que ele fique em evidência por muito tempo e que com isso ele consiga gerar mais valor para sua marca para então ai sim vender as soluções que eles estão dispostos a dar para pessoas ou empresas interessadas. Até hoje tenho gratidão por ter passado esse momento com todos os envolvidos. Fica aqui meu grande abraço!

Em 2011 depois de todo o aprendizado tirado da certificação e também dos eventos gratuitos criados pelo Quartel Digital, comecei a trabalhar de fato com mídias sociais. Naquela época por ser uma coisa nova no quesito de ser um serviço a ser prestado, muitas empresas começaram a contratar esses tipos de profissionais para que realizassem o gerenciamento de sua marca nas redes sociais. Foi então que comecei a trabalhar com Marketing Digital e comecei meu ano de 2012 com o pé direito.

Em 2012 depois de ter começado de fato a trabalhar com Marketing Digital também comecei a entender algumas outras áreas de trabalho que esse conhecimento me levava. Um deles era entender mais sobre um tal de SEO que naquela época era visto como algo mais complexo e avançado. Por ser bastante curioso acabei estudando mais afundo o que o SEO poderia me trazer de benefícios para meu lado profissional. Logo no começo de meus estudos entendi que SEO nada mais é do que a forma orgânica de colocar empresas em primeiro lugar no resultado de busca do Google a partir de uma palavra chave em específico. Estudando um pouco mais sobre essa área acabei conhecendo um cara chamado: Fábio Ricotta. Em 2012 ele ministrava um curso chamado: Mestre SEO. Que eu me lembre bem esse curso era bem reconhecido e que gerava muitos resultados para os alunos que o faziam. Logo se tornou o próximo curso que eu faria no ano de 2012.

Não demorou muito e acabei fazendo o curso Mestre SEO. Com ele entendi ainda mais sobre o mundo orgânico de posicionamento de palavras chaves. Isso me ajudou demais a fazer com que algumas empresas aqui de Fortaleza conseguisse manter suas primeiras posição no Google em algumas palavras chaves. Esse conhecimento claramente me levou a conhecer mais sobre sites, blogs e lojas virtuais. Isso porque a maior ou se não quase todo conhecimento em SEO tinha e tem que ser aplicado dentro do site, blog ou loja virtual do seu cliente. Chega então 2013.

Em 2013 tive a grande honra de conhecer três pessoas: Aécio Gonçalves, Aurélio Oliveira e Filipe Miranda. Eles três eram sócio de uma empresa chamada Frankstore. Diga-se de passagem, uma das melhores lojas de informática voltada para o público gamer que a cidade de Fortaleza já teve até hoje. Em pouco tempo acabei me tornando sócio e fiquei responsável pelo Marketing Digital. Foi nela que acabei aplicando todo meu conhecimento adquiridos desde então. Trabalhei com o gerenciamento das mídias sociais, criação das artes online, criação de eventos presenciais e atendimento ao cliente. Ainda não tinha entrado no mundo da criação de sites, mas sentia que de alguma forma isso ia me levar quer queira ou quer não.

Depois de algum tempo começamos a pensar seriamente em lançar a loja virtual da FrankStore. Foi aí que me deparei com um dos maiores problemas que nem me passava pela cabeça. Esse problema era lidar com os profissionais que iriam fazer a loja virtual. Acredito que muito de vocês que estão lendo esse conteúdo e que não trabalham diretamente com criação de sites e que precisam fechar parcerias com alguns programadores, sabe bem o que eu tô falando. Por esse e outros motivos que muito dos projetos na época relacionados a criação de sites, blogs ou até mesmo loja virtual não iam pra frente. Sempre tive que ficar dependendo de terceiros para poder entregar algo de mais valor para mim ou para meus clientes. O  tempo de experiência com esses profissionais foi passando e com isso aparecendo problemas como: tempo de entrega, demora no atendimento e dependência total do profissional para a entrega final do produto. Foi então que eu decidi que esses problemas não fariam mais parte da minha vida como profissional. Esse foi um dos maiores motivos para que eu entrasse de vez no mundo do WordPress e começasse a aprender a fazer meus próprios sites, blogs e lojas virtuais.

Como a vida é feita de altos e baixos, a loja teve que fechar no final de 2013. Por mais triste que estivesse naquela época, eu estava muito realizado pessoalmente em ter passado cada segundo da minha vida dentro daquele projeto, foi um aprendizado enorme que eu tive com o projeto e principalmente as pessoas envolvidas. Agradeço particularmente a cada um dos envolvidos. Abraços!

No final de 2013, com o término da loja decidi criar minha primeira agência de marketing digital, a Apiice Comunicação.

99% da minha vida foi feita em cima do empreendedorismo, mas foi na Apiice que eu realmente senti o peso de começar algo do zero e fazer a roda girar.

Na Apiice comecei a entender de perto como cada processo de uma empresa funcionava, mais até do que na Frankstore, já que eu tinha sócios cada um sendo responsável por algum setor da loja. Como eu não tinha começado de fato a aprender como desenvolver sites, comecei novamente a depender de outros profissionais para realizar o serviço. Mais uma vez o que mais me chamou atenção nesse período foi a forma com que esses profissionais responsáveis pela criação de sites trabalhavam. Mais uma vez eu estava de frente para um dos grandes problemas que ia enfrentar diariamente se eu decidisse vender serviço de criação de sites, blogs ou lojas virtuais para meus clientes.

No começo da Apiice tínhamos que fazer o site da agência como de praxe para deixar detalhado para nossos clientes os serviços que tinhamos para oferecer. E por ter necessidade da criação do site estava eu lá eu mais uma vez dependendo de terceiros. O sentimento que ficava era de prisão, já que muitas das demandas dependiam desses profissionais para que o conteúdo fosse publicado ou para que o site fosse finalizado.

Por eu ser uma pessoa que não gosto de depender dos outros, acabei analisando como de fato era feito esses sites, como eles faziam para criar cada parte: menu principal, o banner, o sobre, uma parte de depoimentos, a apresentação dos serviços, um campo de contato e o rodapé.

O que eu vi me deixou fascinado, porque ao meu ver não tinha nada muito complicado que eu não pudesse aprender e fazer. Até porque pensa comigo, não existe algo que você você não possa fazer. Se você tiver tempo e dedicação naquilo que precisa aprender, você se torna capaz de fazer qualquer coisa.

Com toda essa minha curiosidade, tempo e dedicação adivinha como começou 2014?

Em 2014 foi quando eu conheci uma empresa aqui em Fortaleza que ministrava cursos dos produtos da Adobe e também ministrava cursos sobre como fazer site através da programação e também sem a necessidade da programação. Já de cara comecei a fazer os cursos que eles tinham para me oferecer: Pacote Adobe, Desenvolvimento de Aplicativos para iOS, e também claro, a como fazer sites na plataforma da Adobe, conhecida e chamada de: Muse.

O Adobe Muse foi uma ferramenta que me encantou muito, porque se você fosse no mínimo um bom designer os resultados seriam incríveis.

No momento que eu estava escrevendo o texto desse conteúdo fui dar uma olhada, se o Adobe Muse ainda estava disponível. E me surpreendi com o fato de que eles estariam encerrando o suporte a ferramenta agora no dia 26 de Março de 2020. E o que eu mais me surpreendi foi com um dos motivos pelos quais a Adobe estaria deixando de dar suporte a essa ferramenta. Um desses motivos é sobre a nova ferramenta chamada, Adobe XD. Ela foi desenvolvida para pessoas que se especializaram no que conhecemos hoje como: UX Design. Esse profissional é responsável pela experiência de usuário que um site ou aplicativo venha ter com seus consumidores. Mas o motivo principal que quero destacar aqui é o segundo, segue ai as próprias palavras da Adobe: “Para sites mais simples, nós observamos o surgimento do criador de sites Faça-Você-Mesmo (FVM) que usam modelos personalizáveis para criar com rapidez sites interativos que podem ser facilmente modificados pelo designer ou um cliente.” Tá vendo isso que a Adobe falou? Essa frase tem tudo haver com muito dos conteúdos que eu vou abordar nas minhas redes sociais. Ela fala em poucas linhas a evolução da tecnologia na criação de sites a ponto que designers e até mesmo clientes possam não depender mais de terceiros. A grande oportunidade nessa frase é que a evolução vai vir muito mais para os profissionais do que para o cliente em sí. Sabe por que? Porque o cliente não paga só pelo resultado que você vai entregar, mas sim o resultado que você entrega no tempo que ele precisa. Tempo é a palavra chave para entender que quem sai ganhando aqui é você e não seus clientes quando o assunto é Faça-você-mesmo.

Voltando ao Adobe Muse depois de ter todo o conhecimento teórico da ferramenta estava na hora de colocar tudo em prática. Thiago Viana, o dono da IW Training acabou criando um Coworking e dando descontos exclusivos para os alunos da instituição. Prontamente estaria eu vislumbrando uma oportunidade de colocar todo meu conhecimento de criação em sites através do Adobe Muse em prática nesse Coworking.

Dito e feito, foi lá que comecei a ganhar meu primeiro dinheiro realizando criação de sites e landing pages através do Adobe Muse para os clientes de outros colegas que também estavam dentro do Coworking. Nesse processo de criação de sites com o Muse acabei me deparando com alguns problemas. Um deles foi a necessidade de alguns clientes começarem a exigir que seus sites tivessem um painel de administração e que eles mesmo pudessem alimentar algumas seções do site sem a necessidade de terceiros. O WordPress em sí eu já conhecia, mas nunca tinha parado para entender melhor como a ferramenta funcionava e para que de fao ela servia. Foi no dia que eu vi a necessidade do cliente que decidi entrar de cara para estudar e conhecer o maior CMS do mundo hoje chamado: WordPress. Pra quem não sabe o que é CMS, é uma sigla para:“Sistema de Gerenciamento de Conteúdo”. Um local onde você pode: criar, editar, gerenciar e publicar conteúdo em plataformas digitais.

Nesse periodo comecei a estudar WordPress como nunca. Foi nesse periodo também que consegui enxergar muitas oportunidades que eu poderia ter com esse conhecimento adquirido. Eu comecei a entender que existia milhares de possibilidades para uma única solução, essa solução seria: criar um site. Uma dessas soluções era criar sites bem estruturados, muito bem diagramados e até mesmo com um design impecável sem precisar em nenhum momento tocar em uma linha de código se quer. Foi então que eu consegui enxergar as possibilidades que eu estaria perdendo se não comecasse pra ontem a estudar mais sobre WordPress, e digo mais, estudar da maneira certa. 2014 termina e começamos 2015…

Em 2015 foi quando criei minha marca: Ramon Matos. Diferente de 2013 com a abertura da Apiice eu estaria 100% dependendo de mim no que se refere a criação de sites, blogs e lojas virtuais, o que particularmente foi bem melhor em vários quesitos.

Com meus conhecimentos em WordPress um pouco mais estabelecidos comecei a pôr em prática criando meu portfolio online e de fato começar a ir atrás de cliente. Quando comecei a ir atrás de cliente percebi que o processo era muito mais trabalhoso do que eu imaginava. Foi quando me deparei com um questionamento: Como que eu faço para os clientes virem atrás de mim sem que eu vá atrás deles?

Foi então que me veio uma sacada. Por que em vez de ir atrás de clientes, eu não vou atrás de quem vai atrás de cliente?

Deixa eu explicar melhor. De forma geral quando o cliente precisa de uma serviço as chances são que ele vá atrás de alguém ou de uma empresa que possa prestar o serviço que ele precisa, correto?

Nesse cenário temos duas oportunidades: Uma delas é falar com esses profissionais e outra delas é falar com essas empresas.

“Mas falar o que Ramon?”

Converse com eles a respeito do seu conhecimento, no meu caso foi a de criação de sites, blogs e lojas virtuais em WordPress.  Deixe claro o que você sabe fazer, como você faz e que preço você cobra. Sabe qual o resultado dessa equação? Você não precisa ir mais atrás de clientes, você só precisa ir atrás de quem está atrás de cliente.

Foi isso que me fez ter minha estabilidade financeira como criador de sites, blogs e lojas virtuais em WordPress. Foi em 2015 que tudo começou a rodar de forma orgânica e autônoma. Desde então todo esse meu conhecimento adquirido a respeito da criação de sites, blogs e lojas virtuais, me fizeram chegar onde eu estou hoje como profissional. Atualmente todos os clientes que possuo hoje para criação de sites são 100% por indicação e parcerias fechadas. Com isso consigo controlar melhor o preço que vai ser cobrado, o tempo que vai ser entregue e o melhor de tudo: ter tempo suficiente para ter meu lazer sem precisar se preocupar muito em correr atrás de clientes.

Já estamos chegando ao final desse conteúdo e queria que você percebesse como eu percebi há alguns anos, as possibilidades que o WordPress pode trazer para você como freelancer. Eu vou estar aqui sempre subindo novos conteúdos para ajudar você a quebrar essa barreira financeira que você têm a respeito de seu faturamento mensal como freelancer.

Vou te fazer algumas perguntas:
Quer saber como eu aumentei meu faturamento mensal como freelancer para R$ 6.000,00?

Quer entender como aumentar isso na sua realidade?

Quer descobrir como entregar mais valor para seus clientes através do WordPress sem precisar tocar em nenhuma linha de programação?

Se sua resposta for sim para uma dessas perguntas, me segue agora nas minhas redes sociais e fique ligado em todo novo conteúdo que chegar. Claro, não esquece de comentar suas dúvidas e sugestões, vou estar sempre disposto a lhe dar conteúdos que possam te levar a aumentar o faturamento mensal como freelancer.

Fechado? Então até a próxima!